Plantio de soja em 6 passos

    Facebook - Comentários
    #wpdevar_comment_2 span,#wpdevar_comment_2 iframe{width:100% !important;}

    Compartilhe

    O plantio da soja continua com muita força no país. Para o ciclo 2019/2020, são esperados 36,4 milhões de hectares de soja plantados. O número é 1,7% maior que o do ano passado e os produtores estão otimistas com a perspectiva do mercado.

    Por isso, o investimento em soja tem se mostrado bastante rentável no decorrer dos anos e atraído o interesse de agricultores especializados em outras culturas, como o arroz. Isso acontece porque a maioria da soja produzida no Brasil é destinada à exportação e, com a alta do dólar, a rentabilidade aumenta.

    Pensando nesse cenário bastante promissor, o post de hoje é voltado a ajudar quem pretende fazer o primeiro plantio de soja. Começaremos com um passo a passo para colocá-lo em prática e também abordaremos o papel crucial dos equipamentos agrícolas corretos. Vamos começar?

    Como fazer o plantio da soja em 6 passos

    A soja é uma das culturas mais produtivas, o que significa um ganho por hectare maior do que outras culturas. Atualmente, a média nacional é de 3,3 toneladas por hectare (55 sacas), mas ainda há bastante espaço para crescimento e a produtividade tende a aumentar exponencialmente nos próximos anos. Os dados apresentado aqui são da Embrapa — Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária.

    O plantio e a manutenção da alta produtividade da soja são assuntos bastante complexos e que merecem um olhar mais afundo se você pretende embarcar nele. Por isso, acompanhe os passos para uma boa produção.

    1. Manejo do solo

    Depois da água, o solo é um dos fatores de produção mais importantes. É ele quem definirá a produtividade da soja, por isso o seu manejo correto é de suma importância para o plantio da cultura.

    O solo não pode apresentar compactação ou erosão e precisa ser rico em matéria orgânica. Só assim ele poderá reter muita água, extremamente importante para a produção da soja, prevenindo também problemas causados por deficiências hídricas como secas prolongadas.

    Se o solo tiver problemas de acidez, é preciso corrigi-lo antes do plantio da soja. Depois de feita a correção, é interessante implementar o SPD — Sistema de Plantio Direto —, que reaproveita a matéria orgânica da última safra para melhorar a qualidade do solo continuamente, aumentando a produtividade.

    2. Semeadura

    A semente é uma das chaves de sucesso da lavoura, portanto, não subestime a sua importância quando for realizar o plantio. Uma semente de qualidade pode ser responsável por um ganho de até 25% na produção.

    Mas como escolher uma semente boa? Ela deve ter origem certificada, alto poder germinativo e vigor, além de pureza física e varietal. Não precisamos nem dizer que ela precisa estar livre de doenças, não é mesmo?

    Armazene as sementes sempre com um teor de umidade menor que 12%, com uma temperatura ambiente de 25 °C e umidade relativa do ar inferior a 70%. Também é importante escolher as recomendadas para a região onde ela será cultivada.

    3. Produção de sementes

    O mercado conta com boas opções de sementeiras que tratam as sementes pré-plantio industrialmente. Contudo, se você obtiver resultados acima da média com o seu plantio, pode ser um bom investimento iniciar a produção das suas próprias sementes.

    Se for fazer isso, certifique-se de que elas foram tratadas com fungicidas antes da semeadura. Não se preocupe com sementes de tamanhos diferentes: elas geralmente atingem o mesmo nível de produção, uma vez que a maior reserva nutricional da semente de soja está equilibrada.

    Aproximadamente 95% da soja cultivada no Brasil é transgênica. No entanto, se você optar pela soja convencional ou até mesmo a orgânica, reveja a etapa dos fungicidas, pois isso pode prejudicar a sua lavoura. Ambas têm um valor ainda mais alto de mercado, porém, requerem mais cuidado.

    4. Calagem, adubação e inoculação

    Antes de realizar a semeadura da nova safra, realize a análise química do solo para conhecer as suas necessidades de melhoria. Colete amostras a cerca de 20 cm de profundidade em diversos pontos do talhão e envie para analisar. Isso vai lhe ajudar a entender, com antecedência, quais adubos precisará comprar, evitando insumos errados e economizando na produção.

    Para a fertilização, o melhor caminho para uma excelente produção é aplicá-lo direto no sulco do plantio. No entanto, devido à dificuldade e morosidade que esse processo impõe, a maioria dos agricultores prefere a aplicação a lanço, mesmo a um custo maior de fertilizante.

    Se possível, opte pelo inoculante biológico. Com ele, o nitrogênio será fornecido à planta de maneira gratuita por meio do processo de FBN — Fixação Biológica — realizada por bactérias específicas chamadas de Rizóbios. Nunca guarde o inoculante de um ano para o outro, mesmo quando houver sobras.

    5. Manejo das plantas daninhas, pragas e doenças

    Antes de iniciar qualquer semeadura de soja, é preciso verificar o histórico de pragas iniciais da área onde será realizado o plantio. Verifique a vegetação de cobertura buscando identificar a presença delas. Nunca utilize inseticidas e pesticidas durante o período vegetativo da soja: isso pode matar toda a sua lavoura.

    Cave pequenas trincheiras de no mínimo 5 metros de comprimento, por 4 metros de largura e 5 metros de profundidade (5x4x5) para examinar a existência de corós, tamanduás da soja ou percevejo-castanho. Caso alguma dessas pragas esteja presente, é preciso pausar o processo e iniciar um tratamento fitossanitário.

    Se as pragas forem identificadas na vegetação de cobertura, especialmente lagartas e percevejos que atacam a soja recém-germinada, antecipe a dessecação pré-plantio. Geralmente uma ou duas semanas sem o verde acaba matando elas de fome e eliminam em grande parte a chance de surgirem novamente.

    6. Colheita e pós-colheita

    Para a colheita da soja, é preciso realizar mais uma vez a dessecação da lavoura. A colheita é recomendada para 7 dias após a dessecação completa da área. O ponto ideal para colher é após o grão atingir a plena maturação — fase R7 —, com umidade de 14% apenas.

    É possível antecipar a colheita, como muitos produtores fazem para aproveitar o plantio do milho safrinha. Por outro lado, é importante ter em mente que há o risco de o grão não estar corretamente formado, ocasionando perda na produtividade e descontos na venda por conta da baixa qualidade do produto.

    O plantio da soja de alta produtividade só é possível pela existência dos equipamentos agrícolas corretos. Máquinas, tratores e colheitadeiras são cruciais para atingir um nível alto de produtividade e escoamento da soja. Portanto, é preciso garantir que todos os equipamentos empregados na lavoura estejam em perfeitas condições, incluindo pneus de qualidade no maquinário.

    Gostou do artigo? Então, confira também este outro sobre os principais hábitos dos produtores rurais!

    Facebook - Comentários

    Compartilhe